sexta-feira, 30 de outubro de 2009

REI DA MORDAÇA ATACA DE NOVO


O jornalista Corrêa Neto recebeu, terça-feira, mais uma citação do Tribunal Regional Eleitoral do Amapá para pagar R$ 29.900,35. Com isso, Corrêa ultrapassa os R$ 900 mil em dívidas referentes às ações movidas pelo advogado do senador José Sarney (PMDB-AP), nas quais o jornalista foi condenado pelo TRE. Corrêa jura que não tem recursos nem bens, nem expostos nem escondidos, como muitos políticos têm. Com o título “Sarney não perde uma”, Corrêa Neto comenta o seguinte em seu blog:
‘Recebi hoje mais uma citação do Tribunal Regional Eleitoral do Amapá, essa para pagar R$ 29.900,35 (vinte e nove mil novecentos reais e trinta e cinco centavos). Com isso ultrapasso os R$ 900 mil em dívidas referentes às ações movidas pelo advogado do senador José Sarney, nas quais fui condenado pelo próprio TRE. Juro que não tenho dinheiro nem bens, nem expostos nem escondidos, como muitos políticos têm. Vou ficar devendo. Só quero lembrar da situação dos juizes que condenam com tanta facilidade, quando o interessado na condenação é um político que nem o Sarney. Ainda bem que eles têm muito tempo para pensar no assunto’, disse Corrêa Neto.
Durante a campanha eleitoral do ano passado, o senador José Sarney tentou de todas as formas calar os jornalistas amapaenses. Moveu mais de cem ações contra jornalistas, blogs, jornais e programas de rádio no Amapá. E ganhou todas no TRE. As multas que o TRE-AP aplicou à jornalista Alcinéia Cavalcante por causa de Sarney, acrescidos os juros, já chegam a dois milhões de reais. Mais recentemente, o ex-presidente da República ingressou na Justiça de Brasília com uma ação por danos morais contra o Jornal Pequeno pedindo uma indenização no valor de R$ 220 mil. Enquanto isso, há 139 dias um processo de cassação contra Sarney está retido na Procuradoria Geral Eleitoral (PGR). Impetrado pelo candidato derrotado a vice-governador no Amapá, Joel Cilião, já foi duas vezes para a PGE. Chegou dia 19 de outubro e foi despachado no dia 07 de novembro do ano passado e desde então permanece ali parado.(foto acima JOEL CILIAO). joelciliao@yahoo.com.br